UA-110518693-1
PIZZA DACURVA

Saiba como agia o 'Don Juan' do crime, preso por dar golpes em mulheres em v√°rios estados do Brasil

David Alves Bezerra, de 30 anos, fingia ser auditor da Receita Federal para se aproximar das vítimas

Por Leandro Morisson em 18/08/2021 às 18:38:29

Bom papo, boa apar√™ncia, l√°bia e muito poder de persuas√£o. Assim é descrito David Alves Bezerra, de 30 anos, preso pela Polícia Civil de Goi√°s na última segunda-feira. Conhecido como "Don Juan", ele é acusado de dar golpes em mais de 90 mulheres em pelo menos quatro estados do Brasil — além de Goi√°s, Roraima, Mato Grosso e Cear√° — e no Distrito Federal. Ele se aproximava das vítimas, que conhecia na internet ou em aplicativos, e as usava para enganar pessoas que faziam parte de seu círculo social.

— Ele chegava na cidade e estabelecia uma rela√ß√£o de confian√ßa, muitas vezes amorosa, com alguém. E utilizava essa pessoa para conhecer outras. Pouquíssimas pessoas tiveram contato direto com ele. Quem teve diz que é uma pessoa de poder de persuas√£o gigantesco, cita a beleza e muita l√°bia — disse o delegado Leonilson Pereira.

De acordo com as investiga√ß√Ķes, David usava os apelidos "Berlim" e "Alem√£o" — o nome de batismo era raramente falado por ele. O homem fingia ser auditor da Receita Federal, às vezes até aparecendo uniformizado para dar mais veracidade à farsa, e dizia ter acesso a bens apreendidos que iriam a leil√£o. Ele, ent√£o, afirmava que tinha como vender produtos importados e aparelhos eletrônicos com pre√ßo bem abaixo do original.

— E muitas vezes ele nem aparecia. Pedia para a vítima oferecer os produtos a pessoas conhecidas dela e dar o contato dele de WhatsApp. E as pessoas n√£o desconfiavam do golpe porque estavam recebendo a recomenda√ß√£o (sobre David) por um amigo, alguém próximo — contou Leonilson Pereira.

Para n√£o deixar qualquer rastro, o "Don Juan" inventava para as vítimas que estava com a conta banc√°ria bloqueada e pedia que os depósitos fossem feitos em contas de terceiros, geralmente da mulher de quem se aproximara inicialmente. E, depois, recebia em dinheiro o valor, informou o delegado:

— A pessoa repassava a quantia integralmente.

Mais de 70 golpes em Roraima

De acordo com o delegado, David n√£o esperava nem seu golpe ser descoberto. Ele logo deixava a cidade onde estava. E as vítimas só percebiam que haviam sido enganadas quando os bens que haviam comprado — na maioria computadores, notebooks, celulares e perfumes importados — n√£o chegavam. A polícia ainda n√£o sabe que meio de transporte utilizava

A polícia diz ter tido acesso a imagens que demonstram que David usava o dinheiro dos golpes para manter uma vida de luxo. Ele exibia suas viagens, carros de luxo e aparecia com grandes quantidades de dinheiro, com o objetivo de menosprezar a polícia, afirmam os investigadores.

O golpista est√° preso desde junho no Cear√°, onde agiu por último. Em Goi√°s, ele esteve entre dezembro de 2020 e fevereiro último. Fez sete vítimas no estado, foi autuado por estelionato continuado por sete vezes e teve a pris√£o preventiva decretada. Mas Leonilson Pereira acredita que esse número possa ser ainda maior.

— Muitas pessoas n√£o procuram a delegacia até mesmo por vergonha — disse o policial, que pede que quem tenha sido vítima de David entre em contato com o Grupo de Repress√£o a Crimes Patrimoniais (Gepatri) pelo telefone (61) 99449-4562.

Roraima foi o estado onde David fez a maior parte de suas vítimas: mais de 70, informaram as autoridades policiais do estado quando ele foi preso, em fevereiro de 2017. L√°, além de fiscal da Receita Federal, o golpista se apresentava como servidor da Secretaria de Fazenda, integrante da Justi√ßa Itinerante, policial civil e agente penitenci√°rio.

A Polícia Civil calculou, na época, que David havia lucrado mais de R$ 80 mil com golpes que havia come√ßado a aplicar em Roraima em 2015.

Fonte: O Globo

Comunicar erro

Coment√°rios