UA-110518693-1
PIZZA DACURVA

Sepultamento do empresário João Francisco Gomes comove familiares, amigos e funcionários

Chegada do cortejo formado por oitos caminhões da pedreira Itereré em homenagem ao empresário João Francisco Gomes

Por Leandro Morisson em 18/08/2021 às 18:31:13

A chegada do cortejo formado por oitos caminhões da pedreira Itereré em homenagem ao empresário João Francisco Gomes, durante a manhã desta quarta-feira (18), no cemitério Campo da Paz foi repleta de comoção. As Lágrimas escorriam nos rostos dos familiares e também dos funcionários da pedreira Itereré, empresa que João fundou e administrou ao longo de 62 anos. O empresário morreu na tarde de ontem, em decorrência da Covid-19 — doença que enfrentou de cabeça erguida durante 10 dias —, e deixou 12 filhos, 19 netos e seis bisnetos.

Uniformizados, os funcionários chegaram com oito caminhões e carros da empresa com os quais acompanharam o translado do corpo, do Hospital Dr. Beda ao Cemitério Campo da Paz. Lado a lado com os familiares, os funcionários se reuniram na entrada do cemitério e receberam o corpo de João com três minutos consecutivos de palmas.

— Seu João foi um excelente patrão. Ajudava os funcionários sempre que precisávamos. Um homem direito que dentro do trabalho chegava junto com a gente até o final — relatou Claudecir Pereira, de 61 anos, funcionário do setor mecânico na Pedreira Itereré há 15 anos.

Já a neta, Marcele Gomes, diretora administrativa da Pedreira Itereré e braço direito do empresário João Gomes na vida pessoal e empresarial, agradeceu aos médicos que cuidaram de seu avô: Dra. Patrícia Meirelles; Dra. Márcia Caldas e Dr. Luís Clovis.

— Ele testou positivo no dia 9 deste mês e já tinha uma doença progressiva (meloidose). Mas ele não desistiu hora nenhuma, pediu para não sofrer e foi isso que aconteceu: ficou até o último dia possível em casa, um dia antes de morrer na UTI do hospital. Sabemos que lá ele manteve a compostura e antes de entubar pediu para fazer a barba. Quando foi entubado e sedado, ele morreu como herói e guerreiro que vai deixar saudade. No meio empresarial ele também deixou uma marca muito grande, além de ser muito querido entre todos funcionários. Já como avô, ele vai ser lembrado pra sempre. Era um pai, um amigo, um confidente, patrão, brigão e brincalhão. Ele deixou uma frase muito boa para todos nós seguirmos, "nada é tão bom que não possa melhorar' — contou Marcele.

Uma das filhas de João, a psicóloga Julie Gomes Barbosa, emocionada, comentou: "Meu pai deixou dois ensinamentos para a gente (filhos, filhas e netos); a honestidade e o trabalho. Ele foi uma pessoa muito honesta e honrou com tudo aquilo que se propôs na vida. Lutou até o final e era um homem muito família, que se dedicava muito aos filhos e aos netos. Ele vai fazer muita falta."

Já no sepultamento, que foi restrito aos familiares e assistido à distância por alguns funcionários da Itereré, um padre entoou cânticos junto aos familiares e proclamou o evangelho de João sob comoção dos parênteses.

Por fim, momentos antes de baixarem os caixões, sob ventos tranquilos no Campo da Paz, todos rezaram juntos o Pai Nosso, a Ave Maria. "Ele continua vivo, mas em outra dimensão. Era um homem íntegro e colaborador com a cidade de Campos. Agora ele está com cada um de vocês", consolou e abençoou o padre Luis Carlos de Carvalho Silva, antes do tintinar das correntes baixarem o caixão de João para o seu descanso no Jardim da Paz, lápide 509 .

Outros relatos

— O conhecia, gostava e admirava. A despeito da idade, era um homem forte, lúcido e empreendedor, que dedicou sua vida ao trabalho e à geração de empregos e divisas em Campos. Lamento muito a sua perda. Que serve para nos alertar o quanto a Covid ainda está à espreita de vida humanas, no meio de todos nós. E me solidarizo com sua família. Que em parte é também minha, na sua filha e minha cunhada Julie, e nas suas netas e minhas sobrinhas, Bárbara e Valentina. Vá em paz, Seu João! — disse o diretor de redação da Folha da Manhã, Aluysio Abreu Barbosa.

— O empresário João Francisco Gomes dedicou sua vida ao trabalho e deixa um legado de dedicação e comprometimento com a nossa cidade. À frente da pedreira Itereré, conquistou respeito e admiração pela forma dinâmica de conduzir a sua empresa, com atuação destacada em seu ramo de atividade. Meus sentimentos à família — declarou o prefeito de Campos, Wladimir Garotinho.

— Infelizmente, mais uma vida que perdemos para essa maldita doença. Não era muito próximo, mas sempre fui um admirador de toda sua história de luta e de muito trabalho. Deixa um enorme legado como um dos grandes empreendedores não apenas de nossa cidade, mas de toda a região. Meus sinceros sentimos a toda família — ressaltou o ex-prefeito de Campos Rafael Diniz.

— É com muita tristeza que recebemos a notícia do falecimento do empresário João Francisco Gomes. Mais um brasileiro que perde a luta para a Covid-19. Um campista empreendedor, lutador e guerreiro, que fundou a pedreira Itereré, gerando dezenas de empregos. A sociedade campista perde um grande homem — destacou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Campos (Acic), Leonardo Castro de Abreu.

— Homem íntegro, empreendedor, excelente administrador, honrado com fornecedores, clientes e colaboradores. Seu João deixa uma enorme lacuna no seu setor empresarial de Campos e do estado do Rio de Janeiro. Que Deus conforte toda a família, especialmente a sua neta Marcelle, que tanto lhe ajuda na condução dos negócios — lamentou o advogado tributarista Carlos Alexandre de Azevedo Campos.

— Um homem sempre à frente de seu tempo! Uma disposição para trabalhar em projetos que ajudaram o progresso da nossa cidade. Além disso, e principalmente, uma pessoa humana, que ajudava muito as pessoas. Sou testemunha disso. Tinha na família seu bem maior. Fica aqui o orgulho registrado de participar de sua trajetória! Vai com Deus. Sua missão foi cumprida com louvor — ressaltou o empresário Arthur Marinho.

— Um homem que fez história na cidade. Uma pessoa maravilhosa, que deixa um legado para a família e para a cidade. Um homem íntegro, sério, que pensou no bem comum, na geração de emprego. Muito preocupado com o desenvolvimento da nossa região. É uma grande perda. Vai deixar bastante saudade e uma memória positiva. Um empresário de referência, que trabalhou até os 94 anos — comentou o empresário Mario Antônio Bittencourt.

Os empresários Gilberto e Paulo José de Souza Manhães também falaram sobre a perda e a marca deixada por João Gomes. "Era uma pessoa super dinâmica, um empreendedor diferenciado. Não tinha tempo ruim para ele. Apesar da idade, nada atrapalhava. A disposição dele de trabalho e idealização era algo fora do normal. Deixa um legado para a cidade, muitos trabalhos realizados, com uma empresa familiar e muito sólida. É um exemplo para qualquer empreendedor. Uma perda muito grande. Era um líder empresarial que somou muito, realizou muita coisa, e agora perdemos essa referência. É uma tristeza, mas temos que ver o que deixou de bom, exemplo de trabalho, de disposição, de idealização. Temos que nos espelhar nele para fazer nossa cidade melhorar. Ele era como um pai para a gente, muito parceiro nos negócios, desde a época do nosso pai".Lamento muito a passagem do Sr. João Francisco. Eu o admirava muito, pois nossa convivência se deu ao longo de 30 anos. Apesar de ele ter alcançado estabilidade econômica e financeira há muitos anos, o Sr. João Francisco nunca deixou de trabalhar, era um prazer para ele dirigir toda operação das empresas, inclusive no campo. Ele visitava diariamente a exploração da Rocha "in loco" e dirigia o próprio carro, escalando o caminho de trabalho. Sr. João, como eu o chamava, sempre foi antenado com as últimas tecnologias do setor de exploração de britagem de rocha, tecnologia de concreto, enfim, em todas as atividades múltiplas que ele participava. Para mim, foi um parceiro de trabalho por 30 anos, um exemplo de trabalho e dignidade a ser seguido. Foi um homem admirável. Lamento muito seu falecimento. Meus sentimentos à família. Ele vai fazer falta — lamenta o empresário Paulo Cesar Paes de Freitas.

Durante a sessão desta terça-feira na Câmara Municipal de Campos, foi aprovada uma moção de pesar pelo falecimento de João Francisco. O pedido partiu do vereador Dandinho de Rio Preto, que agradeceu por tudo que o empresário fez pela área de Rio Preto. "Sempre apto a colaborar", disse.



Fonte: Folha da Manhã

Comunicar erro

Comentários